EUDES FONSECA DOS SANTOS & ADVOGADOS ASSOCIADOS

Controle de Processos

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Notícias

Audiência sobre relatório da CPI avalia reforma da Previdência como inconstitucional

Os participantes de audiência pública sobre o relatório final da CPI da Previdência avaliaram como inconstitucional a Reforma prevista na PEC 287/2016, que está em análise na Câmara dos Deputados. A avaliação foi feita nesta terça-feira (6) em debate da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal. O objetivo da discussão, segundo o presidente da CPI, senador Paulo Paim (PT/RS), foi de deixar claro o posicionamento contrário do colegiado à proposta do governo, por meio do debate dos resultados alcançados pela CPI. Sobre as conclusões da comissão, o relator, senador Hélio José (Pros/DF), afirmou que a principal finalidade da CPI sempre foi expor “a verdade doa a quem doer” em relação ao déficit da seguridade social. “Nós comprovamos por A e B e por isso o relatório foi aprovado por unanimidade, inclusive pelo líder do governo na Casa —, demonstrando que as contas estavam em bases erradas. Na verdade, o que ocorre é uma grande falta de gestão e de direcionamento correto, além do sucateamento do INSS”, disse Hélio José. A inconstitucionalidade da reforma também foi defendida pela senadora Fátima Bezerra (PT/RN). Segundo a senadora, a PEC 287/2016 faz parte de um esforço do governo para um “desmonte da Constituição de 88”. Fátima classificou ainda como uma “falácia” o déficit da Previdência. Mudanças Três pontos principais presentes na PEC 287/2016 foram citados na audiência: o aumento tanto do tempo de contribuição quanto da idade para se ter direito ao benefício e a diminuição do valor da aposentadoria. Para o vice-presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Antônio José de Carvalho Araujo, o aumento dos anos de trabalho é o maior problema da proposta do governo. “Caso seja aprovada, a reforma vai retirar o que nós temos de mais precioso: o tempo. Ela vai forçar o trabalhador a contribuir por 40 anos para ter direito a um benefício integral”, declarou o juiz. A Fenassojaf e os Oficiais de Justiça de todo o país estão empenhados e mobilizados no combate à aprovação da matéria. Em vários estados, o oficialato participa das atividades que têm o objetivo de reafirmar o posicionamento contrário à PEC 287. “Vamos nos manter unidos e mobilizados, principalmente nessas próximas semanas que serão decisivas, quando a reforma deve ser levada ao debate na Câmara”, afirma o presidente Neemias Ramos Freire. Assojaf-GO
Visitas no site:  173465
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia